segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

O perigo de uma conflagração global é cada vez mais latente

Os perigos de uma guerra nuclear por causa do aumento das tensões globais aumentam e estoques  estão inseguros, alertam especialistas
 

"Muitas armas nucleares no mundo permanecem prontas para serem lançadas a curto prazo," os militares, figuras políticas e diplomáticas advertem



São necessárias medidas urgentes para minimizar o risco de uma guerra nuclear, mais de 120  militares sêniores , figuras políticas top e diplomáticas de todo o mundo têm alertado.
Antes da Conferência de Viena sobre o impacto humanitário de Armas Nucleares, que começa hoje, os especialistas escreveram em uma carta que o perigo de tal conflito foi "subestimado ou insuficientemente compreendido" pelos líderes mundiais.
Os signatários incluem pessoas de todo o espectro político, como o ex-secretário de Defesa conservador Lord King, uma contrapartida do Trabalho Lord Browne, ex-secretários Exteriores Margaret Beckett e David Owen, e ex-líder do Partido Liberal Democrata Sir Menzies Campbell. John John McColl, o ex-vice- Comandante Supremo Aliado na Europa pela OTAN , Sir Richards, ex-Chefe do Estado-Maior de Defesa, General James Cartwright e, o ex-vice-presidente dos Joint Chiefs of Staff dos EUA, também assinaram a carta alerta.
"As tensões entre os Estados e as alianças com armas nucleares na área euro-atlântica e, tanto do Sul e Leste da Ásia permanecem maduras com o potencial de um mínimo erro de cálculo militar e escalada", diz a carta para Sebastian Kurz, o ministro da Áustria para os Negócios Estrangeiros.
"Em um vestígio da Guerra Fria, muitas armas nucleares no mundo permanecem prontas para serem lançadas a curto prazo, aumentando as chances de um acidente-conflito.
"Esse fato dá aos líderes confrontarem com uma ameaça potencial iminente e uma quantidade insuficiente de tempo para se comunicar uns com os outros e agir com prudência."
Também deve haver uma melhor gestão de crises em "pontos de conflito" e novas medidas de segurança, alertando que os mercados estão "insuficientemente seguros, tornando-os possíveis alvos para o terrorismo".
http://www.independent.co.uk

Nenhum comentário:

Postar um comentário